segunda-feira, maio 15, 2006

Sobre violência nasa escolas - Jornal Hoje em Dia

Karina e Robson

Tião Martins
smartins61@hotmail.com


Karina Rabelo Leite, que é coordenadora de pesquisa, e Robson Sávio Reis Souza, coordenador de comunicação do CRISP, o Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública da UFMG, reclamam do abuso e licença poética que se cometeu neste barco, em comentário sobre a violência nas escolas.
Não é novidade que este piloto vá além dos números, para entender a realidade oculta nas estatísticas. Toda interpretação, caros cientistas, pressupõe riscos. E o cronista, como o trapezista que atua sem rede, pede licença e cai.
Vamos aos fatos.
Karina e Robson advertem que o CRISP não aconselhou ninguém a tirar os filhos das escolas públicas. E estão certos. O conselho foi deste piloto, que não conhece as escolas pelos números, mas por ver tantos professores à beira de um ataque de nervos.
Karina e Robson dizem que não existe relação direta entre as redes escolares (municipal, estadual, particular) e os níveis de violência dos quais alunos, funcionários e escolas são vítimas.
Aí, o piloto pede licença para uma gargalhada.
Pode não existir relação no trabalho deles, mas saia por aí e converse com diretoras e diretores de escolas públicas. Se você não ouvir pelo menos dez histórias de terror de cada um, vividas na escola, sobretudo na periferia, ganha um cafezinho como prêmio.
Karina e Robson ensinam que que “a violência está muito mais relacionada à desorganização social do que às desvantagens econômicas.” Deve ser verdade. Garantem que abrir as escolas para que pessoas da comunidade vizinha usem o espaço para o lazer pode trazer bons resultados, mesmo em áreas críticas. E, no final, asseguram que a pesquisa não comparou as redes municipal e estadual.
Este retângulo animado de papel, transformado em barquinho de longo curso, jamais disse que o CRISP fez tal comparação, que é de responsabilidade do piloto. Se o prefeito que ninguém vê ficou chocado com a revelação de que não vê o que acontece nas escolas, é ponto para o piloto. Se, em lugar de pedir socorro ao CRISP, aparecer nas ruas, melhor ainda.
De agora em diante, sob o efeito do choque, talvez esse senhor acorde do seu sono e troque os aplausos encomendados a companheiros do PT por uma dose mínima de realismo e conhecimento do que acontece na cidade.
Aliás, seria cruel, mas oportuno, que o prefeito (como é mesmo o nome dele?) visitasse a cidade de Curitiba, no Paraná. Pode até ficar envergonhado, mas aprenderá muito. Se é que ele quer aprender.
Lá, Sua Excelência descobrirá que nem todas as cidades precisam cobrir de lixo suas praças e grandes avenidas. Que cidadania é algo que começa pela ação responsável, séria e compente do Poder público. E que governantes passam, mas a cidade fica e guarda na memória os maus tratos que recebe.
O CRISP e suas pesquisas nada têm a ver com a opinião deste piloto, nunca disse que as escolas municipais são um inferno e nem retratou os males que o abandono e o desrespeito pelas pessoas podem produzir.
Agradeço a Karina e ao Robson, pela gentileza das informações. Como servidores públicos, cumpriram sua missão. Pena que nem todos os servidores do povo saibam cumprir a sua. E o prefeito de BH (como é mesmo o nome dele?) é um desses.

6 Comments:

Blogger Blogdoprofessor said...

Há muito o jornalista Tião Martins vem alertando à população sobre a violência que ronda as escolas municipais. Já falamos sobre o fato em "Trechos de Jornal", e o professor Geraldinho fez um texto abordando a violência. E ainda há pessoas que insistem em tratá-la como algo banal e não enxergar @s professores/as. Seria bom que estas pessoas lessem o livro "O professor refém", de Tania Zagury, que está sendo lançado hoje e tomassem providências.
Modesta Trindade Theodoro

8:42 AM  
Anonymous Anônimo said...

Ótimas frases: "o prefeito que ninguém vê...";" (como é mesmo o nome dele?)".

8:49 AM  
Anonymous Anônimo said...

Prefeito? que prefeito?

2:35 PM  
Blogger Blogdoprofessor said...

Prefeito(carta do Jornal Hoje em Dia, 25/05)

O colunista Tião Martins, que é uma pessoa muito culta, ‘pisou na bola‘ ao criticar o prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel. Será que é porque ele é da esquerda? Ou por ter sido apontado , pela ONU, como o melhor prefeito da América do Sul? Ou por ter sido o oitavo do mundo em administração?

Alfredo Rodrigues Pereira Filho
Viçosa - MG

6:56 PM  
Blogger Blogdoprofessor said...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

7:00 PM  
Blogger Blogdoprofessor said...

Questão da violência
O senhor Alfredo, de Viçosa, escreveu que o colunista do "Hoje em Dia", Tião Martins, criticou o prefeito de BH ou por ser o "8º prefeito do mundo", ou por "ser de esquerda". Aos fatos: seria interessante ler "Direita e Esquerda" de Norberto Bobbio. Servirá para elucidar a questão direita/esquerda. Segundo: um site inglês fez, e tornou pública, a eleição dos melhores prefeitos do Brasil e do mundo de 2005. Entre eles estão César Maia (RJ) e o prefeito de BH. Acontece que, para que se eleja o melhor prefeito, é necessário entrar no site, preencher a ficha de votação (toda em Inglês) e conhecer alguns feitos de prefeitos para tecer o comentário. Questiono: quem elegeu?! A maioria de trabalhadores/as é versada na língua britânica? E será que não se pode criticar o óbvio, que é a questão da violência nas escolas municipais? Ou este é um problema que diz respeito apenas aos professores?
Modesta Trindade Theodoro

7:04 PM  

Postar um comentário

<< Home