sexta-feira, abril 21, 2006

Entre aspas - Jornal O Tempo

Entre aspas

Em meados do século XIX, Henry Thoreau foi expulso da escola onde trabalhava. Motivo? Segundo o diretor, o mestre deveria bater nas crianças para que elas aprendessem. Thoreau defendia a tese da alegria no aprendizado – a abolição da violência seria de grande auxílio ao mundo do conhecimento.A visão tacanha da agressão vem sendo paulatinamente abolida. Hoje professores utilizam a metodologia do filósofo, às vezes sem cogitar que há quase dois séculos alguém já pensava nisso. Nem sabemos se são alvíssaras ou simplesmente mudanças lógicas.

Deixemos o caso para aqueles que tratam do “eterno retorno” não no campo do ser, coisa-em-si, mas das idéias.

Thoreau trabalhou como antropólogo, escritor e artesão, após a insatisfatória incursão na pedagogia por causa de discordâncias filosóficas e metodológicas. Rebelde com causa, intelectual anarquista, o pensador se entusiasmava quando o assunto era política.

Sobre governos, não se cansava de dizer: “O melhor governo é o que menos governa”. No texto “A Desobediência Civil” – a apresentação do autor do livro “Desobedecendo”, no Brasil, foi feita por Fernando Gabeira –, é taxativo: “Espero nunca trocar meus direitos por um prato de sopa”.

Muitos de seus escritos, principalmente sobre a consciência individual e coletiva, influenciaram Gandhi e Tolstoi.
Em recente entrevista, o ministro Patrus Ananias toca na questão da consciência, tema amplamente destrinçado pelo pensador.Ele diz que, devido ao avanço(?) ético no campo governamental, as pessoas exercerão seus direitos “não trocando mais o seu voto por um prato de comida”.

Patrus se esqueceu de citar Thoreau. Devido à similaridade da frase, do pensamento, com os textos do filósofo/artesão, podemos pensar que já não se trata de coincidência o descambar das palavras de partícipes do governo para as idéias de alguns anarquistas, depois de tantas tentativas para enterrá-las.

No entanto, há um choque não previsto na entrevista, que obnubila o pensamento primeiro: o glamour da frase, advinda dos europeus, diga-se de passagem, repetida, sem aspas, pelo ministro: Ninguém pode se considerar acima da lei.

De modo algum a frase supracitada precede outro pensamento de Thoreau: “A verdade de um jurista não é a Verdade, mas a consistência, ou uma conveniência consistente”. Afinal, qual é a ideologia que o ministro quer repassar? Que saibamos, petistas não pertencem às vertentes anarquistas.

Será que estão reinventando um método filosófico eclético para agradar gregos e troianos, na tentativa de explicar programas de cunho indubitavelmente assistencialista? Como entender a ética do ponto de vista deles? Gostaríamos de saber.

MODESTA TRINDADE THEODORO
Professora Aposentada

1 Comments:

Blogger W. F.C. said...

Modesta, me passa de longe a idéia de tornar esse blog um lugar monológico de opiniões. Fico aguardando ansiosamente a contrapartida dos PTistas e em vão. É evidente que há outras correntes ao qual nos aliamos de vez em quando que não são muito diferentes do que os petistas, são, mas não é a mesma coisa.
É isso, temos uma lacuna nesse país no campo da idéias e é por aí que nossa classe ficou na berlinda, porque não quis se repensar, como o nosso sindicato ainda não o faz na ânsia de lutar por melhores salários à moda antiga. Eles mal sabem quais são nossos problemas, tão preocupados com os embates "políticos" a que estão empenhados.
Você, o professor Geraldinho, Theodoro, entre outros são a minha esperança, pois ousam pensar e mostrar seus pensamentos. Será que essa cambada do governo não sabe nem escrever ou perderam suas convicções?!!! Assim não há dialética, não é?! Grande abraço!!! Sem vc nosso esforço seria em vão!!!

3:44 PM  

Postar um comentário

<< Home