quinta-feira, outubro 26, 2006

Manifesto de educadores e dos gestores!

Manifesto dos Educadores -???- Mineiros pela reeleição de Lula???

Li com uma mistura de risos e indignação o documento com o título acima. Grita aos nossos ouvidos e salta aos nossos olhos a audácia daqueles que se auto-intitulam educadores e pretendem sob esta capa, convencer as pessoas a votarem em Lula. Percebi logo de cara a hegemonia de nomes e cargos ligados ao Sind-UTE estadual e da SMED. Pensei inicialmente em contar, mas eram dezenas e dezenas e não tive estômago para continuar quando vi o jurássico Hilário, sindicalista redivivo - muitíssimo vivo!!! - na listagem. O cara de pau ainda se acha um educador! Nada contra cada um se proclamar como quiser, mas é o mesmo que Dirceu Lopes, Dario e Jairzinho se afirmarem jogadores de futebol, mesmo sem pisar num gramado para uma partida oficial há décadas.

Existem profissões e atividades em que não existe a figura do EX. Nunca se ouviu falar em ex-papa. Existem algumas outras atividades em que se perpetua a identificação com a antiga profissão pelo inusitado da trajetória: presidente e torneiro mecânico, por exemplo. A falta de um dedo de Lula testemunha que um dia ele foi metalúrgico. Se ele saberia ligar um torno hoje em dia é outra história...Mas será que encontraremos vestígios de docentes, educadores, professores, mestres em quem não saberia nem fazer uma chamada mais? Em gente que não pega em um giz há dez, doze anos? E pior, em gente que sabe pouquíssimo sobre o público do interior das salas de aula, pela intensa e rápida transformação das gerações de estudantes? Em mestres de ensinar a ensinar, em quem tem as receitas do bem lecionar e que não lecionam desde os anos 1900 e tal? Não, não estou tratando aqui de dar palestras, de ministrar cursos nas gerências, gabinetes e seminários oficiais. Estou falando de docência! E de decência!Se rasparmos as camadas e camadas de burocracia estatal que tingem a pele dos ditos educadores da lista, encontraremos o quê? Um educador fossilizado? Creio que mais fácil seria identificar a mestra romana encontrada petrificada nas escavações de Pompéia como educadora. Pelo menos ela morreu lecionando, coisa que a maioria dos ex companheiros e companheiras do manifesto não sabem mais o que é....

Será que na listagem abaixo, encontraríamos alguém que lecionou neste século XXI?Verifiquem: Zamara, Gered CS; Saulo, Corregedor; Afonso, SMED; Antônio Davi, SMPS; Newtom de Souza ? o Newtinho; Hilário, sem comentários; Pilar, idem; Rogério Correia, idem; Carlão, idem... Ora, tenham a santa paciência!!!!

Observem que não estou falando que os listados não trabalham ou coisa semelhante. Estou afirmando com todas as letras que podem ser gestoras, legisladoras, gerentes, assessoras, ou qualquer coisa que o valha. Educadoras e educadores não! Se há alguma dúvida procure no dicionário de sua preferência o significado do termo educador.

Na lista ainda estão os diretores de escola, eleitos entre seus pares e a maioria saído das salas de aulas há dois ou no máximo quatro anos. Vieram das salas de aula e voltarão para as mesmas um dia. Estão em contato direto e cotidiano com a escola e sua realidade. Não são cargos de confiança da PBH. São cargos de confiança da população. Creio até que a maioria pensa e age assim.Talvez um ou outro ainda não tenha clara esta definição, mas é assim que deveria ser. Foram eleitos pela comunidade para servir a comunidade e não a SMED ou as GEREDs. Abro aqui uma exceção para defender este segmento dos trabalhadores em educação. Lamento somente que não tenham atinado para o uso ideológico de seus nomes e cargos e do método da confusão para fins de convencimento.Explico: colocando seus nomes legitimamente como educadores, na mesma listagem que os cargos de confiança do prefeito e dos eternos sindicalistas, servem inconscientemente - creio eu - à causa do patrão contra o trabalhador; da casa grande, em detrimento da senzala; do aparelhamento do estado, em detrimento da organização da sociedade. Afirmam veladamente Lula como opção de todos os educadores e como o melhor para a educação.

Alguns não verão e não vêem nenhum problema. É só uma lista, dirão eles. Para quê tanta polêmica, perguntarão.

Sinto ser o estraga prazeres, o desmancha festa, o pessimista de plantão.

Observem o tratamento dispensado aos docentes pelos partidários de Lula.
Observem a conduta neo-stalinista da corregedoria, das GEREDs, da SMED e dos que abraçaram como sua, e de mais ninguém, a prefeitura de Belo Horizonte.
Observem os que balançam as bandeiras de plástico de Lula nas portas das repartições públicas. Vejam o constrangimento em seus olhos. Antes defendiam a mudança, o novo, um país diferente e justo. Hoje defendem suas nomeações, seus cargos e só.

Verifiquem também as propostas de reformas previdenciária e trabalhista anunciadas e defendidas pelo governo Lula. Vejam o modo petista/Pimenteista de governar. Será que retirar direitos de aposentados; rebaixar salários de docentes via super exploração de seu trabalho; impossibilitar o necessário planejamento nas escolas; buscar pulverizar os críticos com ações na corregedoria; negar por anos a fios o passe livre para os estudantes das escolas públicas; tratar professoras e professores com truculência e os cassetetes da Guarda Municipal; gastar rios de dinheiro público com publicidade e com o próprio gabinete; liberar professores somente para sindicatos e gabinetes aliados e cooptados, é fazer mais pela educação?

Ora, se é assim: Nem Lula, nem Alkmim,NULO LÁ!
Prof. Geraldinho - terceiro turno - IMACO.

8 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Seria preciso que enviasse esse texto para um jornal. Urgente.

3:50 PM  
Blogger Blogdoprofessor said...

Professor, lê-lo está se tornando, cada vez mais, um indescritível prazer. Você se supera. Minha paixão pelas letras cresce quando sinto tamanha indignação em um texto. Se essa indignação aí largada atingir reais educadores/as poderemos dizer que valeu a pena. Se ninguém se envergonhar com o uso abusivo do vocábulo "educador" é sinal de que há algo errado, precisando de reparos urgentes. Parabéns! Pelo texto absolutamente real, pela luta constante.
Modesta Trindade Theodoro

4:42 PM  
Anonymous Anônimo said...

Ai, palavras, ai, palavras,
Que estranha potência a vossa!
Ai, palavras, ai, palavras,
Sois de vento, ides no vento,
No vento que não retorna
Tudo se forma e transforma!

Sois de vento,
E quedais, com sorte nova!

Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência a vossa!
Todo o sentido da vida
principia à vossa porta;
o mel do amor cristaliza
seu perfuma em vossa rosa;
sois o sonho e sois a audácia,
calúnia, fúria e derrota...

A liberdade das almas,
ai, com letras se elabora...
E dos venenos humanos
Sois a mais fina retorta:
Frágil, frágil como o vidro
E mais que o aço poderosa!
Reis, impérios, povos, tempos,
Pelo vosso impulso rodam...

Detrás de grossas paredes,
De leve, quem vos desfolha?
Pareceis tênue seda,
Sem peso de ação nem hora...
-e estais no bico das penas,
-e estais na tinta que as molha
-e estais nas mãos dos juízes,
-e sois o ferro que arrocha,
-e sois barco para o exílio,
-e sois Moçambique e Angola!

Ai, palavras, ai, palavras,
íeis pela estrada afora,
erguendo asas muito incertas,
entre verdade e galhofa,
desejos do tempo inquieto,
promessas que o mundo sopra...
Ai, palavras, ai, palavras,
Mirai-vos: que sois agora?

-Acusações, sentinelas,
bacamarte, algema, escolta;
-o olho ardente da perfídia,
a velar na noite morta;
-a umidade dos presídios
-a solidão pavorosa;
-duro ferro das perguntas,
com sangue em cada resposta;
-e a sentença que caminha,
-e a esperança que não volta,
-e o coração que vacila,
-e o castigo que galopa...

Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha , a vossa!
Perdão podíeis Ter sido!
-sois madeira que corta,
-sois vinte degraus de escada,
-sois um pedaço de corda...
-Sois um povo pelas janelas,
cortejo, bandeiras, tropa...

Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência, a vossa!
Éreis um sopro de aragem...
-sois um homem que enforca!
(Cecília Meireles)
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Woodson, você é um professor bacana, inteligente...
Gosto da paixão como escreve seus textos. É bonito escrever com tanta clareza, ter o dom da palavra, mas é bonito também cuidar das palavras e usá-las para construir.
Penso que é triste supor que bons educadores ao se aposentarem, por exemplo, podem perder todo o mérito de uma vida de trabalho digno. E esse texto caminha para essa derivação.
Por último: podemos não gostar de admitir,mas os inimigos da educação não são aquelas pessoas "jurássicas".
É isso.
*********************************

9:11 PM  
Anonymous Anônimo said...

Foi mal! No comentário acima, Onde está "woodson", leia, Geraldinho, por favor.

9:16 PM  
Anonymous Anônimo said...

Sou aposentada, ri, reli o texto e cheguei a conclusão de que eu não perderia "toda a vida de trabalho digno" como diz o texto acima poque aposentei-me como professor, tão somente, nada mais. E continuo educador. Não deixei de lado a profissão por anos a fio para servir a outrem, em outros postos.Mesmo que eu deixasse, continuaria educador. Manifesto de educadores com um mínimo de educadores não é manifesto, é conversa fiada. Tome-se Educador como tu queres que levarei um em todos os lugares de BH para os pais assinarem.

6:34 AM  
Anonymous Anônimo said...

"A indignação é a revelação de motivações muito profundas, presidindo a escolha de prioridades, eleição de interesses, revelando opções ideológicas e políticas. Toda indignação, pois, merece ser submetida a uma profunda avaliação. Nem sempre é tudo tão edificante quando se trata de indignações. Há indignações que não podem deixar de hospedar-se no coração humano. Sua ausência é o risco da indiferença que descompromete ou propicia atitudes como defesa mesquinha dos próprios interesses, resultado de uma visão míope na consideração da realidade dos outros, especialmente dos mais pobres.".
Trecho de artigo de Dom Valmor (Arcebispo)
EM - 27/10

9:21 AM  
Blogger Blogdoprofessor said...

Para quem ler com atenção, verá que não me refiro aos aposentados quando falo dos pseudo-educadores e usurpadores do labor alheio. Assim como não temo dizer que os diretores têm razão para se auto-intitularem educadores, pois não se afastaram da escola e de suas mazelas, digo com a maior clareza possível: não é composta de educadores a grande maioria dos que assinam o tal manifesto de apoio a Lula.

Interessante postura: o anonimato e a poesia para esconder as verdadeiras intenção e face?
Abraço a todos!
Prof. Geraldinho.

1:00 PM  
Anonymous Anônimo said...

O Afonso lecionou sim. Foi além. Direção da EMIsrael Pinheiro. E as eleições começaram em 1989. Muitas vezes ele ia nas reuniões do sindicato. Mas vocês sabem o que acontece quando um partido entra no poder?

6:49 AM  

Postar um comentário

<< Home