sábado, dezembro 03, 2005

Três Pedidos para o PT parte I

Três Pedidos para o PT

O primeiro é que vocês fiquem com tudo.

Peguem o dinheiro, o avião. As agendas de todas as
secretárias, os revólveres dos ex-delegados, os
laranjas analfabetos, os laranjas pós-graduados, as
cuecas sujas do dinheiro que sai dos ralos de onde
vocês vieram. Não esqueçam de levar nada. As
explicações estranhas, as notas oficiais, o eterno não
sei de nada, o absurdo nunca ouvi falar disso e, por
falar nisso, o mensalão. Peguem sem vergonha, saquem
sem vergonha, ajudem-se, juntem-se em torno das
fogueiras onde queimam notas fiscais e consciências,
bebam, brindem, riam da minha cara. Eu desejo que
vocês aproveitem as Land Rovers, façam churrasco ao
som de Chitãozinho & Chororó e brinquem de quadrilha
em todos os meses do ano, na presença do operário
bebum que desonra a si mesmo, aos operários e aos
bêbados. Não liguem para críticas. Aliás, não liguem
pra ninguém: alguém da polícia federal, um desses
otários que ganham R$700,00 líquidos por mês pode
estar escutando e a voz de vocês em rede nacional fica
distorcida. Prefiro a do Fernandinho Beira-Mar, que se
confessando bandido, traficante, ladrão e assassino
tem pelo menos uma vantagem sobre vocês: nunca disse
que não era tudo isso, nunca me enganou a seu
respeito, jamais negou sua maldade. Muito menos
recebeu 55 milhões de votos cheios de esperança.

Meu segundo desejo é que vocês vivam muito em suas
ilhas fiscais, em seus condomínios fechados, em suas
coberturas de 1000 mil metros quadrados pagas com
salário de 1.500,00 reais. Existam pra assistir a
morte de crianças sem ter o que comer, de jovens sem
futuro e de velhos que cospem no passado que cada um
de vocês representa. Sejam eternos como é interminável
a fila do INSS, dos pais de família sem emprego, das
jovens que fazem sexo pago a partir dos 12 anos sem
que possam ser recriminadas por vocês, que as
iniciaram ao mostrar-lhes como se faz isso com um país
inteiro. Agora que vocês são ricos e perpétuos.
Meu último desejo é que vocês nunca mais saibam se têm
ou não um amigo. Que ao verem um por-de-sol lembrem-se
apenas de voltar para casa, onde dormir seja um sonho
impossível. Permaneçam dia após dia acordados,
desconfiados, ansiosos, insones, num morre-não morre
sem fim. Que a única coisa que possam escrever sejam
versões, já que perderam a noção da verdade e dos
fatos. Que a única coisa que saia da boca de cada um
de vocês seja um repetitivo "não lembro, Sr.
Deputado". Não quero nenhum de vocês julgados ou
castigados. Apenas que passem a vida dizendo "não
lembro, senhor deputado". Que ao chegar na cozinha,
encontrem a CPI dos salmões. Na sala, a CPI Home
Theater. No quarto, a CPI da falta de sexo. Na vida, a
CPI do desaparecimento da glória de servir ao povo. Um
dia, meu filho vai estuda-los. Que eles e seus colegas
percam nota se não souberem os nomes de vocês. Mas não
se abatam por isso, como não se abalaram com os tiros
que mataram Celso Daniel. Não se preocupem com o meu
desprezo, como não se incomodaram em decretar a pena
de morte à esperança que os ajudou a vencer nosso
medo. Não se arrependam de nada. Apenas vivam pra nos
ver construir o novo, o alegre e o lindo. Sejam o
nosso norte, mostrem onde vocês estiveram e no que se
transformaram. A partir disso, bastará seguirmos em
direção contrária.
(Autor desconhecido)