terça-feira, agosto 30, 2005

UNE - Jornal Estado de Minas - Opinião

UNE - Entidade esquece a dialética - 30/08/2005
Modesta Trindade Theodoro-MG / Belo Horizonte

“A União Nacional de Estudantes (UNE), como qualquer entidade, tem o direito, quiçá o dever, de fazer manifestações, sobretudo contra a corrupção. Agora, não venham dizer, em nome de 67 anos de lutas, das quais também fomos partícipes, que é natural defender uma pessoa e não idéias. Em uma grande faixa em Belo Horizonte estavam os dizeres: ‘Com Lula, contra a corrupção’. O grande problema é que a força da UNE deve residir na sua filosofia e uma força centrífuga tem atuado, de modo que, em vez de uma séria discussão dialética, apega-se a chavões. A direção da UNE sabe bem que quem mais tem ganho com a crise são os partidos de esquerda, que crescem a cada escândalo. Não venha com blablablás acéfalos. É melhor que os líderes atuais da UNE (que ainda usam o cérebro) façam uma mesa redonda e resolvam de vez o que podem fazer daqui para frente.”